Aprendendo do caso Enron

No ano 2000, tão só cinco anos após sua criação, a elétrica Enron conseguiu aparecer na lista da revista Fortune como a sétima maior companhia de Estados Unidos. No entanto, em 2001 descobriram-se numerosas irregularidades nas contas da empresa que acabaram arrastando a uma quebra total e sem possibilidade de arranjo.

Até o momento, o caso Enron é o maior escândalo financeiro de nosso vizinho do norte. Enron esteve a ponto de ser a corporação maior do mundo, mas não foi assim. A quebra de Enron é um claro exemplo de mau gerenciamento e negligencia empresarial com múltiplas manipulações contábeis inaceitáveis em uma empresa cujo princípio era a estabilidade e bom desenvolvimento de todos seus ativos, tanto ao interior como ao exterior. Os dirigentes da empresa conheciam a situação e ocultaram a informação destruindo as provas.

Em resumem, as causas do derrube de uma das maiores corporações do mundo deveu-se a:

1) Bruto exagero dos benefícios.
2) Transações extremamente complicadas.
3) Incompetência e criminalidade dentro da cúpula diretiva.
4) Irregularidades na informação contábil.
5) Destruição de documentação.
6) Fraude financeira aos acionistas.

7) Associação ilícita.

¿Porquê para uma empresa que procura um grande futuro é necessário olhar o caso de Enron? Porque para prevenir o tipo de causas que levaram a levaram à quebra, existem mecanismos especializados que impedem ou minimizam ditas causas. Estamos falando de uma caixa de denúncias ou canal de denúncias através do qual se respeite o código de ética da empresa. Mediante a vigilância de os membros de uma organização, de maneira, anônima, pode ser feito uma correta prevenção da fraude e evitar conflitos de interesses nas empresas seguindo a ética trabalhista estabelecida.

As consequências da implementação de uma linha ética de denúncia ou “Whistleblower hotline”, são:

Captura de pantalla 2015-09-30 a las 14.41.46

 

 

Reporte-os de empregados são a melhor ferramenta para a prevenção de riscos trabalhistas e conseguir o que se denomina “Compliance empresa”, isto é, uma organização ética onde o desenvolvimento a plenitude no futuro esteja assegurado.

 

As três E: Ética, Empresa e Meio

Para Enrique Zamorano, integrante do Comitê técnico Nacional de ética do IMEF ( Instituto Mexicano de Executivos de Finanças A.C), as empresas que adotam uma cultura de ética em todas suas operações e ademais impulsionam a veracidade e transparência em sua informação financeira, têm uma grande vantagem competitiva no médio empresarial. Este tipo de empresas mostram um alto grau de credibilidade e confiança púbica, além de grande fidelidade por parte de todos seus colaboradores.

As empresas com responsabilidade social perseguem um grupo de objetivos, dos quais fazer dinheiro é só um, e não necessariamente o principal. Procuram utilidades, se, mas guiam-nas igualmente uma ideologia básica, os valores básicos, um sentido de propósito para além de só ganhar dinheiro. No entanto, paradoxalmente, ganham mais que as companhias motivadas só pelo ânimo de lucro, de acordo a Enrique Zamorano.

A ética empresarial ou nos negócios não é um tema moderno, pensadores como Max Weber ou Georg Simmel já lhe tinha mencionado em seus tempos e escritos como as bases do bom funcionamento das organizações. Na atualidade, às empresas exige-lhes inteligência e sensibilidade, ciência e consciência e desenvolvimento e respeito. Por isso, o gerenciamento de uma corporação deve estar amparada em um código ético. Para descobrir se estes princípios cumprem-se nas organizações, uma caixa de denúncias ou linha ética de denúncias permite medir o nível de ética das empresas, já que o nível de denúncias e o tipo de denúncias que se realizem falará do tipo de cultura que se vive ao interior ou exterior. Para que uma empresa se gerencie de maneira ética, suas ações têm que ir acompanhados de certos valores.

Direção ——————-Compromisso
Publicidade ——————–Comunicação veraz
Gerenciamento ——————–Eficiência e competitividade
Financiamento —————–Transparência
Clientes ——————Honradez e lealdade
Pessoal ——————-Respeito e motivação
Meio social —————Responsabilidade

A ética empresarial é uma exigência da pessoa, qualquer que seja seu trabalho. Supõe que seus princípios são os mesmo que a moral general. Mantém-se uma preocupação pelos empregados (qualidade do ambiente de trabalho, remuneração, sentido de família, incentivos, segurança, etc.) proporcionando-lhes dignidade e respeito, para desta forma fazer que o trabalhador se senta e esteja feliz e motivado para produzir com qualidade e bom rendimento.

 

A sostenibilidad de empresarial

“Devemos dar-nos conta de que a moral é o princípio reitor individual mais importante por trás de todo o que fazemos ou dizemos”

REY SALOMÓN

A sustentabilidade converteu-se no grande objetivo das pequenas e médias empresas, bem como muitas das empresas Fortune 500. Para que isso suceda, tem que existir um grande ambiente de ética nos negócios, uma grande responsabilidade corporativa e um investimento socialmente responsável em todas as organizações.

A ética de negócios nasceu quando se gerou nas pessoas a possibilidade de cometer atos reprobables que podem ser realizado quando a pessoa atua procurando um benefício pessoal. Uma empresa, por sua vez, realiza uma série de atos que no geral tem um objetivo comum: procurar a sobrevivência do negócio e seu sucesso no mercado.

Como podem observar, a ética empresarial é a base para o sucesso da organização. Uma pessoa não só é ética em sua faceta pessoal, senão também seu ambiente profissional. A cada empleado, diretor, executivo e membro de uma empresa, deve perguntar todos os dias se são o suficientemente honestos ao momento de informar a respeito de seu uso do tempo, gestão de dinheiro, lucros, etc., só de estar forma, garantindo que assim suceda, pode ser conseguido uma empresa sustentável no presente e futuro.

Se não ocorre desta forma, e os membros de uma organização não ostentan uma conduta ética nem no plano pessoal ou empresarial, os riscos financeiros (principalmente) não demoram em aparecer. Aproveitando a honestidade de alguns membros da empresa, uma linha de denúncia adaptada às necessidades da cada organização e a impartição de capacitações sobre a importância de denunciar qualquer tipo de irregulidade, evita perdas maiores em capitais, pessoa, tempo e recursos.

Para alcançar a sustentabilidade das empresas, a ética é uma das preocupações mais importantes no mundo dos negócios de hoje em dia, e um sistema ético de linha de denúncias, a melhor ferramenta com a que se conta.

A Lealdade, como detonador de condutas não éticas

Atualmente, a denúncia de irregularidades converteu-se em uma prática mais aceitada e comum em nossa sociedade. No entanto, a ética da denúncia de irregularidades ao interior de uma empresa ou organização é um assunto complicado que envolve dois valores morais: a justiça e a lealdade que ademais, na maioria das ocasiões estão em conflito.

Fazer o que é equitativo ou justo, por exemplo, em uma empresa, seria promover ao empregado mais qualificado; mas a lealdade que mostra o apego a promover pessoas de longa trajetória na empresa, ainda que não estejam qualificadas, gera um conflito de interesses que qualifica para ser denunciado ante os diretores da organização mediante um especializado caixa de denúncia.

A lealdade considerada um valor ético de grande alcance, pode ser voltado uma conduta não ética em um instante, já que pode inibir a uma pessoa a realizar uma denúncia. A capacitação constante de empregados e empregadores a respeito de fomentar e gerar valores como a honestidade e a integridade, permite que a lealdade dos membros não seja dirigida para pessoas, se não à organização em sua totalidade. Desta forma, a avareza, a inveja e o receio, entre muitos mais ressentimentos, mantêm-se a listra graças a uma conduta ética apropriada e, prevê-se uma afetação à empresa, para seu pessoal, suas finanças e seu desenvolvimento a futuro.

Quando uma pessoa é ética, possui fortes rasgos de caráter e pode

enfrentar o incómodo momento de ter que ir a uma linha de denúncia. Seu caráter lhe manterá assinatura ante qualquer situação e se guia pela honestidade, equidade, integridade, justiça, e demais valores éticos que farão de seu ambiente trabalhista o médio adequado para desenvolver-se com plenitude e bem-estar.

 

Como enfrentar um ambiente não ético em uma empresa

Para controlar ações que impliquem à fraude, roubo, extorsão, abuso, problemas financeiros ou qualquer conduta não ética em uma empresa, se tem que contar com uma estrutura sólida que deve contemplar dois eixos reitores fundamentais para que a organização funcione e se desenvolva de uma maneira adequada e não seja surpreendida com ações que afetem seu futuro.

1 Educação: Toda pessoa membro de uma empresa deve saber quais são os princípios que a conformam. Assim mesmo, é importantíssimo capacitar eticamente às pessoas para que entendam por que é mau cometer roubo, fraude, abuso de autoridade, assédio sexual, entre muitas mais condutas não éticas. Trata-se de gerar consciência na pessoa através de uma campanha interna de difusão na empresa sobre o benefício e a importância de uma conduta ética apropriada no ambiente trabalhista. 2 Linhas éticas: A vesses os laços de amizade ou medo entre os trabalhadores de uma empresa fazem difícil reportar as faltas que descobrem. A linha de denúncia anônima,

combate este problema. A linha ética permite fazer a denúncia de maneira anônima pelo que o temor a possíveis represálias, desaparece e se converte no melhor médio para melhorar a ética trabalhista de uma organização.

Para que uma linha ética de denúncias anônimas seja eficaz se precisam: múltiplos canais (linha de telefone 0800 gratuita e exclusiva da assinatura, página site, direção de e-mail em servidores externos, atenção pessoal a denunciantes, uma lacuna de correio), profissionais treinados e com dedicação exclusiva, difusão ao interior da empresa assegurando a confidencialidade e a análise oportuna das denúncias por especialistas.

Com estes dois eixos reitores, encaminha-se o bom funcionamento de uma empresa, assegurando que todos seus membros se rejam por uma conduta ética adequada aos objetivos que se persegue. De acordo com o estudo realizado por Nicholas Waldron: “A eficácia das linhas de denúncia na detecção e dissuasão de má prática nas organizações”, um sistema ético de denúncias arroja principalmente, condutas não éticas:

Captura de pantalla 2015-09-07 a las 19.31.32

Prevenção da bancarrota nas empresas

Não há uma e só uma responsabilidade social da empresa a utilizar seus recursos para participar em atividades desenhadas para aumentar seus ganhos, sempre que mantenha-se dentro das regras do jogo, isto é, envolve-se em uma concorrência aberta e livre, sem engano ou fraude. MILTON FRIEDMAN.

Uma má decisão, falta de inovação, manejos turbios em suas finanças ou algum revés dos mercados, são alguns dos motivos porque grandes empresas se vêem na necessidade de se declarar em bancarrota. Daewoo é um claro exemplo. Com uma dívida de 10 milhões de dólares, declarou-se em bancarrota em 1999 e o fundador da empresa, Kim Woochoong, foi detido e condenado a 10 anos de prisão por fraude contábil e evasão de capitais.

O que nos ensina o caso de Daewoo e muitos outros, é a necessidade de uma adequada regulação e supervisão das empresas para evitar perigos de alto risco no futuro.

A ética trabalhista dever ser o pilar de qualquer organização que pretenda conseguir um futuro sustentável e pleno. As condutas não éticas do dono de Daowoo puderam ser evitados com um sistema de prevenção de fraude que através de uma caixa de correio de denúncias ou canal de denúncias ao interior de sua organização facilita aos trabalhadores um médio para indicar qualquer conduta incorreta das pessoas que laboram em uma empresa. Desta forma, propicia-se uma empresa ética sem conflitos de interesses e diminuem-se os riscos a futuro, como a quebra.

Se Daewoo tivesse contando com um funcional sistema anônimo de denúncias, talvez seu fundador poderia ter evitado calcar o cárcere e deixar sem emprego a milhares de trabalhadores. Por casos como o de Kim os sistemas de denúncias têm ido cobrando fama e a cada mais são as legislações que obrigam às empresas a contar com estes programas de apoio e fomento da Ética Trabalhista.

 

 

 

 

 

“A corrupção no âmbito trabalhista”

O desenvolvimento de um negócio depende em grande parte da ética trabalhista que sigam todos os indivíduos que a conformam.

Antepor os interesses pessoais acima dos da companhia, supõe um grave risco para o futuro e gerar corrupção no âmbito trabalhista.

Na atualidade, as empresas contam com ferramentas especializadas para fazer frente a problemas relacionados com extorsão, suborno, tráfico de influências, fraude, roubo, etc. Uma adequada linha de denúncias ou linha ética de denúncias, é um grande instrumento para prevenir e enfrentar os problemas ao interior e exterior da empresa, mediante sua instalação nas organizações evitam-se milionárias perdas e numerosos obstáculos entre o pessoal.

Por médio de uma chamada anônimo, qualquer membro da organização pode fazer visível um problema que afete o correto desenvolvimento da companhia e se fomenta a honestidade trabalhista como estratégia contra a corrupção ao interior de uma empresa gerando o ambiente idôneo para a prática trabalhista em todos os níveis da organização.

Uma conduta eticamente correta nos negócios esta diretamente relacionado com os meios escolhidos para atingir o bem da empresa e também com a plenitude que podam alcançar empregadores e trabalhadores com a comunidade em que se vive.

Alcançar essa plenitude depende da qualidade moral das pessoas e seu capacidade para fazer das organizações que eles levam ou as que trabalham, espaços e lugares onde a ética este sempre para orientar o seu trabalho.

Por isso a ética não só converte a uma pessoa em boa pessoa, também para ser uma pessoa excelente.

Uma linha de denúncia, adotada ao ambiente e necessidades específicas de cada organização ajuda e gera condutas íntegras, responsáveis e leais dos empregados e trabalhadores na cadeia de negócios. Fortalece as relações de confiança e portanto gera relações sólidas e honestas, desenvolvendo um bem-estar sólido da empresa tanto a nível interior como exterior que contribui passos firmes para o crescimento da companhia e seus trabalhadores.