A importância da Responsabilidade Social nas empresas

A cada vez mais empresas desenvolvem políticas de responsabilidade social, com um componente ético, mediante as quais se potenciam ações sociais, estatutárias ou meio ambientais, para além do que possa supor uma conta anual de resultados. A responsabilidade social corporativa (RSC) é um termo que, aplicado ao âmbito empresarial, trata de uma responsabilidade de caráter ético, entendida como o gerenciamento responsável das organizações empresariais.

Os programas de responsabilidade corporativa podem ajudar às empresas a atrair aos clientes, atrair e reter talento, assegurar aos inversores, reduzir os custos operativos, melhorar a moral dos empregados e melhorar a reputação de uma empresa. Por isso, a Responsabilidade social é a forma de conduzir os negócios de uma empresa de tal modo que esta se converta em co-responsável pelo desenvolvimento social. Uma empresa socialmente responsável é aquela que possui a capacidade de escutar os interesse das diferentes partes (acionistas, empregados, prestadores de serviços, provedores, consumidores, comunidade, governo e meio ambiente) e incorporar no planejamento de seus atividades, procurando atender as demandas de todos eles não unicamente dos acionistas ou proprietários.

A Responsabilidade Social Corporativa vincula-se à crença em Valores Éticos, que guiam a conduta empresarial da cada companhia e a relação que ela desenvolve com seu meio. Entre estes valores temos, os Direitos Humanos, o Bem Comum, a Solidariedade, a Transparência, a Probidade, a Honestidade e o Desenvolvimento. Uma das ferramentas que pode ser utilizada pelas empresas para fomentar e promover a responsabilidade social em suas organizações são os sistemas de denúncias, caixa de denúncias ou linhas éticas de denúncia que beneficiam às cooptações porque: asseguram maior satisfação dos clientes, melhoram a imagem e reputação de uma empresa, diminuem custos ao reduzir riscos de ser perseguidas judicialmente e sobretudo, garante o cumprimento das leis e regulamentos da empresa.

Em resumidas palavras, a responsabilidade social e as linhas éticas de denúncia provêm à empresa de: inovação tecnológica, transparência, eficiência e rentabilidade, desenvolvimento sustentável, confiança e segurança, reputação e legitimidade; todos, aspectos muito valorizados entre as companhias modernas.

O suborno empresarial e sua prevenção

Em México, 4 em cada 10 diretores empresariais reconheceram que é comum praticar subornos para ganhar contratos, o que localizou ao país como o “campeão” neste rubro negativo dos negócios, de acordo a uma investigação da Consultoria EY.

“Se não se pagam subornos, se perdem negócios”, é a frase mais recorrida para o 58% dos empresários mexicanos interrogados por Transparência por Colômbia e a Universidade Externado. A cifra é alarmante e põe em risco as relações de confiança a nível empresarial.

O suborno é um delito difícil de provar, combater e sancionar, sua natureza permite-lhe disfarçar-se facilmente, baixo o manto da legalidade. Esta condição tem obrigado aos países assinantes da Convenção das Unidas contra a Corrupção a adotar políticas severas contra o suborno. No setor privado, convida-se às empresas a definir e assumir normas e procedimentos anticorrupção que incentivos boas práticas em seu gerenciamento. Um destes procedimentos são os caixas de denúncias. A Linha de Denúncia, são os diferentes meios pelos quais os empregados, sócios, provedores e clientes podem enviar reporte sobre assuntos que vulnerem o código de ética e/ou políticas internas de sua organização.

Os empresários procuram o benefício particular para a rentabilidade e a sustentabilidade de seus negócios, para isso requerem de um mercado livre, confiável e organizado, concebido em um marco ético e transparente. Um mercado confiável constitui assim um bem público que beneficia a todos. Trabalhar na geração e afinamento de uma cultura de prevenção do suborno desde os empresários, que propenda pela aplicação de princípios e práticas que para além do legal facilitem definir os limites entre práticas comerciais e práticas corruptas, tem entre seus propósitos a manutenção de um mercado livre e confiável. Todo o anterior se resume em: gerar uma cultura de prevenção do suborno e modificar as formas em que as empresas se relacionam e fazem negócios. Se trata é sim, de fortalecer a ética de negócios e afiançar o compromisso das empresas em gerar ambientes confiáveis, alinhados a códigos de ética e valores corporativos.

As 10 empresas mais éticas de México

O ganhador do prêmio Nobel de Economia, Milton Friedman, assegurou que as empresas não só servem para gerar bens e serviços, senão que devem ter uma responsabilidade ética. Isto é, contar com uma filosofia onde a mesma esteja presente ao dia a dia, que seus empregados entendam a transcendência de seu trabalho e seu lugar de trabalho e que todas as pessoas membros de uma organização, estejam ao tanto sobre o importante que são os valores éticos para uma companhia.

A luta contra a corrupção e a impunidade têm sido os eixos reitores de muitas empresas em nosso país e o Conselho Coordenador Empresarial através do Código de Integridade e ética Empresarial (CIEE) tem colaborado para que assim seja e ademais, qualificar às empresas em seu desempenho dentro da ética trabalhista. Como resultado, em México contamos com empresas muito comprometidas no desenvolvimento ético de suas organizações e as 10 companhias mais éticas em nosso país são: Banco American Express, Cemex, Dow Chemical, Fomento Econômico Mexicano (FEMSA, cliente de EthicsGlobal), Ford Motor Company, Banamex, BBVA Bancomer (cliente de EthicsGlobal), Grupo Bimbo, Grupo IUSA e Grupo Modelo.

Mas não tudo é cor de rosa, também há milhões de companhias em onde a ética não é um princípio fundamental para seu desenvolvimento. Tal é o caso de Grupo México, Mineira México. Grupo México destaca como uma das empresas a nível internacional com menos ética. Em realidade, é a nona empresa menos ética de todo mundo, de acordo com um estudo realizado pela consultora Convalece (consultora com sede em Genebra que analisa e informa o índice de ética das corporações multinacionais). Também temos o caso de Grupo Villacero de Tamaulipas. A nível internacional, Monsanto lidera a lista das piores companhias em relação à ética.

Através da ética pode ser acabado com práticas corruptas que destroem valor e danificam a economia e a sociedade, se ponderamos mais a cultura organizacional, com valores comuns (mais que códigos ou regras) que sirvam como caminho dos indivíduos que conformam as organizações poderíamos dar maiores componentes éticos a uma empresa.

A importância dos sistemas éticos de denúncia em uma empresa arraigam em que reduz os conflitos dos membros que a conformam, melhora a imagem exterior da empresa e supõe um componente essencial do conceito de “qualidade total”. Com uma caixa de denúncias dá-se um primeiro passo para instalar a ética de noviços e os códigos éticos que levam às empresas a atingir a prosperidade e um bom desenvolvimento.

 

O escândalo de Volkswagen

Olaf Lies, membro da junta diretiva de Volkswagen e ministro de Economia da Baixa Sajonia (um dos 16 estados federados de Alemanha) lhe disse ao programa da BBC Newsnight que alguns empregados da gigante automotriz atuaram criminosamente no escândalo das provas fraudulentas de emissões contaminantes.

A empresa alemã reconheceu que 11 milhões de autos ao redor do mundo poderiam ter instalada uma armadilha para enganar a reguladores e usuários sobre as emissões contaminantes de seus veículos. Isto tem gerado a maior crise financeira e de imagem da companhia automobilística. Suas ações na carteira foram-se a pique e sua reputação a nível do chão.

Lies assegura que a companhia não tem ideia de quanto custará em termos monetários consertar os motores envolvidos e cobrir os custos legais do caso. Trata-se de cifras milionárias, em onde também milhões de pessoas têm perdido sua fé em Volkswagen. Aunado ao anterior, VW deverá enfrentar multas por 20 milhões de dólares ante as autoridades estadunidenses.

Este tipo de problemas pôde ser prevenido e evitar se a empresa contasse com um adequado Sistema Ético de Denúncias especializado. Conquanto, por norma, VW tem uma linha de denúncias instalada para benefício das boas práticas, ficou a o descoberto as carências da mesma ou seu mau funcionamento. O conselho diretivo de Volkswagen desconhecia a situação do software fraudulento, mas não assim vários membros da organização que não reportaram a anomalia.

Dado o volume de motores afetados, não pôde ser uma única pessoa a que permitiu que a fraude ocorresse e muito menos a que tomasse a decisão de instalar o software em milhões de unidades. Com o caixa de denúncias funcionando à perfeição na companhia, os empregados deveram denunciar as ações e prevenir a crise pela que está atravessando a companhia alemã. Evitar este tipo de condutas não éticas ao interior das organizações, é a base de ação das linhas de denúncias.

Só em México, Volkswagen vendeu 32 mil autos com motores traqueados e a nível mundial terá que enfrentar ademais, as demandas dos armadores que utilizam seus motores como Audi ou Seat, quem já empreenderam ações legais contra o gigante alemão.

O caso Volkswagen ensina-nos que tão grave pode chegar a ser uma decisão não ética no interior de uma empresa. São e serão milhões de dólares os que se perderão, além da confiança dos clientes. Sempre é mais barato prevenir que solucionar e agora Volkswagen o sabe bem, seu canal de denúncias cheio de falhas ou sem ter a importância que merece, lhes levou a uma crise que poderia a destruir no curto prazo.

O roubo formiga

O 67% do roubo nas empresas é cometido pelos próprios empregados e custa-lhe às organizações cerca do 35% das perdas de seus ganhos anuais, ademais, reduz o inventário em um 10%.

Conhecido como o “roubo formiga”, trata-se de um delito cometido ao interior das empresas grandes, médias ou pequenas, pelos próprios trabalhadores, visitantes ou provedores. Representa para perto de 3.600 milhões de dólares anuais em perdas.

Segundo os experientes, há dois tipos de fraudes que se comentem ao interior de uma empresa, os quais se catalogam como: abuso de confiança e o roubo formiga, este último é uma situação que se detecta a maior parte das vezes até finais de o ano pelo inventário que realizam as empresas.

No entanto, é possível prevenir e controlar esta problemática se as organizações implementam ações e procedimentos dissuasivos; programas de fortalecimento organizacional que evitem as más práticas; linhas éticas; estudos de vulnerabilidades para cobrir as possíveis oportunidades de fugas e finalmente denunciar os casos identificados.

É de vital importância que as organizações trabalhem nos valores de seu pessoal e lhes inculquem o sentido de pertence para a companhia, o código ético da mesma e ademais, conscientizarmos sobre o dano que pode lhe causar a sua vida profissional esta ação em caso de ser descobertos.

As cinco formas mais comuns em que se apresenta o roubo nas empresas são:

1)Roubo de Mercadoria: produtos da empresa à venda.
2)Roubo de Fornecimentos: quando os empregados se levam a casa objetos do escritório como tinta para impressoras, papel, grampeadoras, etc.
3) Roubo de Tempo: falsificação dos registros nos cartões checadoras do tempo laborado ou bem, o empregado está no lugar de trabalho, mas não está trabalhando.
4) Roubo de Nómina: forma de malversação de fundos na que alguém cria empregados fantasma e recolhe cheques de pagamento para estes empregados inexistentes
5) Roubo de dinheiro: malversação de fundos das contas, roubo da caixa garota, comissões externas, etc.

A completa extensão do problema do roubo nas empresas é virtualmente impossível de quantificar, como grande parte dos roubos que se descobrem não são reportados nem avaliados adequadamente; ademais, alguns roubos continuados nunca se detectam. Pelo dito, contratar um Sistema Ético de Denúncias tem-se convertido em uma necessidade para muitas organizações e para outras uma ferramenta para melhorar a qualidade e imagem de suas corporações.

 

 

Vantagens dos canais de denúncias ou linhas éticas

Em matéria da ética de negócios, à longa, resulta mais barato prevenir que curar. Fazer frente às consequências da fraude em uma organização pode sair mais caro que pôr em marcha os mecanismos de prevenção e controle de riscos necessários para evitar a comissão de delitos de caráter econômico”, assinala Gertrudis Alarcón, presidente em Espanha da Associação de Examinadores de Fraude Certificados e responsável em Europa das consultoras antifraude i2 Integrity International e G5 Integritas.

A Linha Ética é um mecanismo desenhado para que os empregados, aliados estratégicos, provedores, clientes e usuários possam reportar anonimamente supostas violações ao Código de Ética, Código de Bom Governo, Manual de Prevenção de Lavagem de Ativos, bem como possíveis atos incorretos, fraudes e corrupção, e aspectos relacionados com Gerenciamento Humano nas corporações. As denúncias mediante a utilização de uma linha ética podem ser realizado através de linhas telefônicas, correio eletrônico e demais ferramentas que o provedor, e o cliente lembrem como melhor solução a sua organigrama empresarial, garantindo em todo momento, a confidencialidade da informação e do denunciante, gerando um ambiente de confiança para reportar os ilícitos.

As vantagens de ter funcionando na empresa uma linha ética são:

  1. Reduzem em 50% as perdas médias por fraude.
  1. São a forma mais rápida de detectar fraude interna e abusos.
  1. Diminuem a duração média dos casos de fraude em vários meses.
  1. Favorecem a transparência empresarial e protegem à organização
  1. Permitem antecipar novas tendências nos riscos.

Ethics Global brinda uma canal de denúncias adequado a suas necessidades e as de sua empresa, contamos com a capacidade de criar a infra-estrutura necessária de acordo a sua nacionalidade e intereses e assim garantir que todas as denúncias sejam identificadas e catalogadas da melhor maneira, fazendo que o serviço que prestamos ajude a sua organização a instaurar o ambiente ético de negócios adequado para um desenvolvimento pleno. Nosso serviço é externo e independente a nossos clientes e tem o objeto de que o pessoal destes bem como terceiros que tenham transações com eles, reportem preocupações sobre possíveis condutas fraudulentas ou comportamentos indevidos.

Com plataformas e tecnologia de última geração, podemos garantir a plena satisfação de nossos clientes e a ajuda adequada para prevenir de maneira oportuna grandes perdas. Acerque-se a nós e conhece nosso produto, não se arrependerá.

Ética trabalhista: atitude e produtividade

Toda empresa espera que seus empregados se comportem de uma maneira ad hoc com a missão e metas da companhia. Por isso, os standardes estabelecidos para a conduta trabalhista das organizações tem como objetivo marcar as expectativas tiene como objetivo marcar las expectativas sobre el comportamiento aceptable de sus miembros. La ética laboral persigue la creación de un ambiente positivo en el que la gente disfrute su trabajo e em onde os clientes, provedores e sócios queiram fazer negócios.

A atitude ética para o trabalho aumenta a produtividade das empresas, melhora a imagem para o exterior e gera novas oportunidades de negócio.

Aquelas organizações que contam com um buzón de denúncias ao interior de seus corporativos, asseguram altos standardes éticos que levam à confiança, o respeito e a produtividade do empregado. Mas também reduzem custos ao prevenir condutas não próprias e têm a possibilidade de enfrentar de melhor maneira ditas condutas não éticas como o roubo, a fraude, o abuso, conflito de interesses, etc., evitando perdas e graves consequências.

Na atualidade as empresas estão exercendo sua prioridade baseada nas pessoas sobre as coisas, isto é, a organização e sua acionar está atravessando por questões éticas, responde, gira e se orienta a elas e orienta-se a elas, conseguindo uma notável rentabilidade econômica e saúde corporativa que tem seu pilar mais forte na confiança sobre os membros que a conformam.

A globalização tem feito que as empresas e seus negócios se definam estrategicamente no longo prazo, e é ali onde a ética é considerada um fator de rentabilidade.

Desenvolver uma cultura da ética gera importantes benefícios para uma companhia: ajuda a superar as crises assegura a lealdade dos empregados e, ao preservar o prestígio, rende maiores dividendos. A honestidade, o respeito e a confiança converteram-se em valores essenciais no desenvolvimento corporativo.

Em relação direta com a ética de negócios, em nosso país observa-se um crescimento constante, na atualidade o 53% das empresas consideram à ética trabalhista como uma peça fundamental em suas organizações Em Japão é o 40%, Suécia 75%, Estados Unidos tem o 81% e o 43% Rússia, por citar alguns exemplos. Por isso, a ética é concebida na atualidade, como uma concorrência trabalhista é demandada não só a níveis de reclutamiento de pessoas, senão, como principal componente de um eixo de posicionamento das empresas, com olhar à rentabilidade das organizações ao exterior A prática da ética trabalhista, a ética de negócios, é um valor intrínseco de toda atividade econômica e empresarial no mundo global atual

Na empresa, a maior satisfação pessoal do trabalhador, maior será sua produtividade e portanto, maiores os ganhos e rentabilidade No mundo econômico da atualidade faz-se necessária a instalação de um buzón de denúncias ou linha ética de denúncias, como um serviço interno que beneficie os interesses corporativos de uma empresa e gere uma vantagem competitiva ao prevenir a realização de condutas não éticas, não apropriadas à missão, visão e objetivos que perseguem as organizações

La importancia de las Líneas Éticas de Denuncia

As LINHAS ÉTICAS DE DENÚNCIA (BUZONES DE DENÚNCIAS), começaram a generalizar nas empresas de todo mundo a partir da entrada em vigor em EE.UU. da Lei Sarbanes-Oxley, na que se prevê o estabelecimento de determinados sistemas internos de alarme, graficamente denominados como “whistleblowing procedimentos”, um fim de detectar possíveis irregularidades financeiras e contábeis nas empresas. Estes buzones são obrigatórios, segundo essa Lei, para todas as empresas que cotam em algum mercado de valores norte-americano.

O que sopra Whistle- Blowing Hotline, seu nome em inglês, deve ser utilizado somente para comunicar preocupações que guardem relação com as seguintes áreas, principalmente, para garantir o bom desempenho das empresas:

Contabilidade.
Controles internos.
Auditoria.
Irregularidades financeiras, incluídas as relacionadas com transações bancárias
Subornos.
Incumprimento dos standardes profissionais dos empregados.
Abuso de autoridade.
Conflito de interesses.

 

A Linha Ética deve ser percebida dentro da empresa como um canal que permite a comunicação direta entre os empregados e a alta Direção, e que por tanto serve para gerar um clima de transparência e um ambiente de controle.

Este tipo de ferramentas reduzem a sensação de impunidade que às vezes se percebe em algumas empresas, derivada da impossibilidade de pôr em evidência condutas não éticas de algum de seus membros

A Linha Ética facilita a comunicação de possíveis condutas irregulares, pouco éticas ou inadequadas quando os canais normais de comunicação resultem inefectivos ou complicados. O Hotline poderá ser utilizado por todas as pessoas da assinatura, bem como clientes, contratadoras, provedores e qualquer outra parte que mantenha em uma relação de negócio com uma organização que tenha instalado o Sistema de Denúncias. Os Buzones de Denúncias cobram dia com dia maior relevância e importância nas organizações. Ano com ano cresce o número de empresas que somam ao projeto de Corporações Éticas ou Compliance.

Na seguinte tabela podemos apreciar a percentagem de organizações com um Sistema Ético de Denúncias instalado ao rededor do mundo e sua crescente popularidade no mundo dos negócios.

 

Região                                               Percentagem

 

América Central, Caraíbas e América do Sul               52.9%

                 USA                                                                 52.9%

                 África                                                             47.3%

                 Europa                                                           46.9%

                 Ásia                                                                 43:3%

                 Canadá                                                           41.4%

                 Oceania                                                           26.0%

 

A denúncia como mecanismo de melhores práticas nos negocios

Na atualidade vivemos um ambiente de negócios que demandam maiores exigências em assuntos éticos. Cumprir com um meio de transparência nas empresas converteu-se em um objetivo primordial para as organizações.

Reger-se por sistemas de transparência permite às empresas identificar de maneira oportuna condutas inapropiadas geradas por pessoas alheias ou membros ao interior da organização.

Para conseguí-lo, fez-se vital instalar nas corporações uma linha de denúncias, isto é, um buzón ético de denúncias através do qual de maneira anônima possam ser reportado de forma segura e confidencial, qualquer operação, atividade conduta ou comportamento que pudessem estar destinados a favorecer, prestar ajuda, auxílio ou cooperação de qualquer espécie a um comportamento não ético.

A denúncia é um ato de confiança no que todos devem participar para fortalecer os valores da empresa e permitir à organização e a todos seus integrantes conseguir um crescimento dentro de uma melhor cultura.

No entanto, as denúncias nas empresas são um tema complexo de tratar, dado que culturalmente as pessoas não estão acostumadas a denunciar condutas inapropiadas.

Um adequado sistema de linha ética de denúncias, permitirá acrescentar a confiança dos empregados para comunicar todos aqueles comportamentos que considere inadequados dentro de seu ambiente de trabalho.

Em países como Estados Unidos ou a União Européia, contar com uma linha de denúncias nas empresas é um requisito para cotar na carteira, em países de América Latina é um conceito e ferramenta que mal está sendo explorado como uma medida para prevenir perdas milionárias.

De acordo com o estudo realizado por Nicholas Waldron: “A eficácia das linhas de denúncia na detecção e disuasión de má prática nas organizações” a instalação de um sistema ético de denúncias atende às seguintes necessidades das organizações.

Captura de pantalla 2015-11-05 a las 14.44.42

Como pode ser apreciado no gráfico, as empresas estão hoje em dia muito comprometidas por ser organizações comprometidas com uma melhor prática e a geração de um ambiente trabalhista ético que produza benefícios para todos seus membros

 

O moobing e a má imagem da empresa

O mundo empresarial de nossos dias, a prática do assédio trabalhista ou moobing, voltou-se um fato constante que os empregados denunciam ante seus superiores e que está em amplo crescimento em México.

O assédio trabalhista trata-se de uma situação de violência psicológica constante utilizada de forma abusiva em sua maioria, pelos chefes ou colegas de trabalho com postos mais altos que a pessoa agredida.

Algumas das formas mais comuns em uma organização de moobing ou assédio trabalhista são: debocha ou insultos, bromas pesadas, exclusão, humillación, excesso ou sobre ônus de trabalho, etc. Os tipos de assédio trabalhista mais comuns dividem-se em treis faixas:

1)Horizontal: Entre iguais, entre colegas

2) Vertical crescente: Entre os subalternos do trabalhador.

3) Vertical descendente: Por parte dos superiores a seus subalternos.

Entre as consequências que podem ser apreciado em uma pessoa que tem sofrido assédio trabalhista encontramos: depressão, irritabilidad, baixa autoestima e ataques de pânico entre outros.

Por isto, os trabalhadores agredidos não têm a mesma produtividade que seus colegas e em muitas ocasiões representam mais perdas que ganhos para uma empresa. Com o moobing, não só se afeta à vítima senão à organização à que pertence. Trata-se de perda de produtividade, recursos humanos e rendimentos causada pela redução do rendimento. Ademais, gera-se um ambiente negativo de trabalho no que o medo e a desconfiança são os principais atores. Em resumem: uma empresa na que seus trabalhadores estejam preocupados pelo assédio trabalhista produzirá menos produtos e estes serão de pior qualidade, e estes serão de pior qualidade, já que todo o processo produtivo fica afetado pelo clima de tensão e assédio. Isto provocará uma perda de prestígio e de clientes para a empresa.

Evitar que o moobing ou assédio trabalhista afete a sua empresa ou organização, está ao alcance de suas mãos e é tão singelo como instalar uma linha ética de denuncias através da qual os empregados possam fazer ouvir sua voz de maneira anônima e fazer visível este tipo de condutas não éticas que geram uma má imagem da corporação. Com o buzón de denúncias saem a luz este tipo de situações e podem ser tomado as medidas preventivas ou corretivas a tempo e sem que gerem graves perdas ou problemas sérios na empresa.

Um bom clima trabalhista favorece a integração das pessoas na organização e é uma das bases do sucesso empresarial. O ambiente trabalhista ético começa no recebimento grato na empresa e a preocupação da organização pelo novo trabalhador e atinge-se quando a pessoa trabalha em um meio favorável propiciado pela qualidade do líder, flexibilidade em regras e procedimentos, grau de confiança, formação, comunicação crescente e descendente, retribuição justa, condições de trabalho adequadas (saúde trabalhista), inexistência de mobbing, etc. A intenção é fomentar um ambiente ético saudável no que o trabalhador se possa sentir pleno e desenvolver adequadamente seus labores e gerar as condições adequadas para que a empresa ou organização se desenvolva em um ambiente de sucesso e prosperidade.